Melhor lugar para comer carne, A Casa do Porco oferece combinações inusitadas

Júri - Melhor Casa de Carnes

José Henrique Mariante
São Paulo

Houve tempo em que o centro de São Paulo era de fato o centro da cidade, dos acontecimentos, das compras, das atividades culturais e, claro, dos restaurantes. Ia-se ao centro velho, ao centro novo, à rua dos bancos, ao Mappin, ao Marabá, ao Ca’d’Oro.

Houve tempo em que parte do centro cindiu-se entre boca do lixo e boca do luxo. Hoje quase tudo parece lixo a olhos estrangeiros, a maioria deles vindos da própria cidade.

Há tempos, no entanto, gente que insiste em consertar esse destino resolveu viver e trabalhar na região. Como os Rueda, que tocam quatro casas em uma estreita ilha de prosperidade forçada por ali. Uma delas, a Casa do Porco, arrisco imaginar, atrai mais quem não é da cidade do que quem é e não se aventura pelos lados de lá da Paulista —o “lugar improvável”, como resumiu Jefferson Rueda após seu restaurante se tornar o 39º e único do país entre os 50 melhores do mundo.

Quem não vai perde, como perdem os que não comem porco por legítima razão. Se não é o seu caso, aproveite a deixa de Rueda, que transforma o bicho em qualquer coisa para qualquer gosto, de quibe cru a sushi. Soa invencionice até você comer e algo como arte quando junta coisas banais e distantes como pancetta e goiabada —aconteça o que acontecer, experimente.

Se o dia for de turista, divirta-se com a degustação (nove cursos, R$ 125). Começa com pão, manteiga de banha e mortadela com castanha, e termina com café de bule e pamonha. Antes vem o carro-chefe, o Sanzé, que fará você voltar para comê-lo na versão à la carte na próxima vez (8 horas de brasa, acompanhamentos precisos). Aí você não será mais turista, e a cidade improvável será sua.

Restaurantes
undefined

A Casa do Porco Bar

Carnes |
até R$128.7

Em uma esquina na República, o local atrai filas (e mais filas) de gente atrás da comida do chef Jefferson Rueda. Carro-chefe da casa, o porco Sanzé é assado na brasa e servido com tutu de feijão, tartare de banana, couve e farofa. A carne suína ainda aparece no sushi de papada, no arroz de suã e no lámen, bom para dias frios.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.