Perto de completar 100 anos, manteiga Aviação é a favorita dos paulistanos

Marca é lembrada por 32% dos entrevistados, aponta pesquisa Datafolha

Débora Yuri
São Paulo

Levante a mão o paulistano que nunca encostou no balcão da padoca e pediu um pão com manteiga na chapa. Em muitos cardápios, o desjejum favorito da cidade ganha até complemento especial: “pão na chapa com manteiga Aviação”.

Faz sentido. A relação entre a marca e São Paulo já dura 99 anos. Em 1920, duas famílias mineiras —os Gonçalves, de Andrelândia, e os Salles, de Lavras— abriram um secos e molhados na zona cerealista, próximo ao Mercadão. 

Na mesma época, compraram uma fábrica de manteiga em Passos (MG). Começava ali a produção das icônicas latinhas alaranjadas, que passaram a ser distribuídas a bordo da estrada de ferro. O nome era uma homenagem às empresas aéreas pioneiras no país.

Quase um século depois, a Laticínios Gonçalves Salles mantém as tradições. Só aos 92 anos, mudou o modelo de lata que é seu carro-chefe. Agora, dispensa o uso de abridor. “Houve uma migração da preferência para os produtos refrigerados”, conta a diretora comercial Ana Luisa Pimenta. “Mas a memória afetiva permanece com a embalagem original.”

Quem quiser mergulhar nessas lembranças pode visitar a Casa da Manteiga, em São Sebastião do Paraíso, no sul de Minas —sede da fabricante. Queijos, requeijão, café e doce de leite Aviação estão lá. Além da manteiga, é claro. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.