Nascida no Brás, Bauducco é a torrada mais lembrada por paulistanos

Segundo Datafolha, 53% dos entrevistados citaram a marca criada por imigrantes

Débora Yuri
São Paulo

A história de São Paulo é intrinsecamente ligada à de milhões de imigrantes. Nesse enredo, não faltam épicos cotidianos de anônimos populares. Mas aqui vamos falar da trajetória de uma família deles, que chegou do interior de Turim, na Itália, em 1948.

Na nova terra, os Bauducco abriram sua primeira doceria quatro anos depois. Ficava no Brás e logo virou um fenômeno. O motivo? Um pão com frutas cristalizadas chamado “panettone” (antes de ser devidamente aportuguesado, era escrito com a dobra de uma consoante, como manda o dicionário da Bota).

Em 67 anos, a família conseguiu erguer um império alimentício no Brasil. Atualmente, a empresa é líder em praticamente todos os segmentos em que atua.

Produz wafers, cookies, colombas, bolinhos, biscoitos champanhe. Inaugurou em 2012 as Casas Bauducco, cujas mesas são disputadas em shoppings e aeroportos país afora (seu chamariz: “Panetone o ano inteiro!”). 

E o que falar das torradas? Lançadas em 1983, elas permanecem crocantes, vêm em quatro versões e ganharam formato na medida da mordida. 

Ah. Elas também integram o livro de receitas originais da poderosa família de raízes italianas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.