Júri elege Charco como melhor novidade entre os restaurantes de SP

Júri - Melhor Restaurante Novidade

Sérgio Dávila
São Paulo

Charco é água parada, rasa, suja e lodacenta, que se espalha pelo chão. Nenhum desses adjetivos, porém, serve para definir o restaurante de mesmo nome, aberto no fim do ano passado nos Jardins, em São Paulo, que mereceu o prêmio de melhor novidade deste especial.

Em ambiente rústico, o que em dias frios pode ser um problema, mas com serviço bastante atencioso e acolhedor, a cozinha autoral do millennial gaúcho Tuca Mezzomo entrega pratos vivos, quentes, com variações de cocção no fogo que desmancham na boca.

É o caso da chuleta com vegetais na brasa e chimichurri argentino, do secreto de porco preto com quiabo e mostarda, dos vegetarianos cogumelos tostados com abóbora defumada e creme de parmesão e do arroz pegado, de influência espanhola, com polvo e mexilhão.

Ou da inesquecível costela na lenha, que fica quase um dia no preparo e é servida como entrada.

Para tirar as receitas do papel, o jovem chef (com passagens por Dalva e Dito e Nino Cucina) usa três tipos de grelha: a basculante, também chamada de parrilla, o yakitori japonês e um forno a lenha que tem a função dupla de assar e defumar.

Se perdem em rebuscamento, os pratos ganham em autenticidade e sabor —e o saldo é positivo. Além disso, o salão não padece do mal de nove entre dez das churrascarias mais antigas da cidade, que é o cheiro de fumaça que acompanha o cliente na volta para casa.

Da cozinha saem também ótimas sobremesas, obra das mãos de Nathalia Gonçalves, sócia e mulher de Tuca.

Restaurantes
undefined

Charco

Variada |
até R$94.05

Em uma charmosa casa de ambiente rústico, o restaurante tem cozinha norteada pelo fogo. O menu traz itens como as cenouras na brasa com tahine, folhas de cenoura e sementes e a chuleta com mandioquinha e vinagrete. Uma dica para o arremate é a sobremesa que traz variações de cacau mel, geleia, semente e manteiga mais e chocolate branco, ao leite e amargo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.